quarta-feira, 20 de julho de 2011

Opinião - A Corte do Ar

Autor: Stephen Hunt
Editora: Edições Saída de Emergência
Número de páginas: 512

Sinopse:
Quando a órfã Molly Templar testemunha um assassinato brutal no bordel onde foi colocada como aprendiz, o seu primeiro instinto é o de correr de volta para o orfanato onde cresceu. Ao chegar e encontrar todos os amigos mortos, apercebe-se de que era ela o verdadeiro alvo do ataque... pois o sangue de Molly contém um segredo que a torna um alvo a abater para os inimigos do Estado. Oliver Brooks levava uma existência tranquila na casa do tio, mas quando é acusado da morte do seu único familiar é forçado a fugir para salvar a vida, acompanhado por um misterioso agente da Corte do Ar. Perseguido pelo país, Oliver vê-se na companhia de ladrões, foras-da-lei e espiões, e aprende mais sobre o segredo que destruiu a sua vida. É então que Molly e Oliver são confrontados com uma ameaça à própria civilização por um poder antigo que se julgava derrotado há milénios. Os seus inimigos são implacáveis e numerosos, mas os dois órfãos terão a ajuda de um formidável grupo de amigos nesta aventura cheia de acção, drama e intriga.

Opinião:
Este é o primeiro livro de Ficção Científica, ou melhor, de steampunk que leio. Não sou fã do género mas não faz mal nenhum experimentar e tem-se falado tanto do autor e as opiniões ao livro têm sido tão boas que aproveitei então para dar o meu primeiro passo neste género/sub-género.
Engraçado que este foi o livro que demorei mais tempo a ler (não devido ao livro mas a factos exteriores a ele), o que levou a que eu pudesse digerir melhor a informação nele contida do que se o tivesse lido em menos tempo, facilitando a minha leitura e compreensão dele. Porque A Corte do Ar não é um livro para "meninos". É preciso digerir a sua mensagem e entender as subjectividades que nele se encontram. Não é apenas a história de duas crianças que, não sendo aparentemente ninguém, vão salvar o mundo. É a história do Mundo com as suas mensagens políticas, religiosas e filosóficas disfarçadas de simples demanda.
Não é um livro que se entenda à primeira e é preciso estar muito atento à cada parágrafo e capítulo para o entender. Escusado será dizer que adorei a sua complexidade com os seus múltiplos ritmos e rituais. A escrita de Stephen Hunt é alucinante proporcionado-nos uma leitura que nunca pára,fazendo-me lamentar de cada vez que fui obrigada a interromper a sua leitura (que foram mesmo muitas!).
Quanto às suas personagens, são todas fascinantes e impossíveis de esquecer, nota-se que existiu um cuidado extremo na sua criação mas não posso deixar de "bater palmas" a uma em específico: Oliver Brooks. Se o livro em si é complexo, Oliver é o ainda mais e a sua transformação ao longo do livro é tão espantosa que não há como não nos rendermos.
Adorei e fiquei fã, senão do género, pelo menos de Hunt e juro-vos que se se atreverem a pegar nele, não se vão arrepender.

6/7


1 comentário:

  1. Olá!!! :D
    Excelente opinião, concordo!
    A escrita de Hunt é mesmo alucinante e a ação é mesmo wow!
    Também gostei muito do Oliver :D

    Olha o que eu achei do livro :D
    http://oimaginariodoslivros.blogspot.pt/2012/07/a-corte-do-ar-de-stephen-hunt.html

    ResponderEliminar