segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Opinião - A Corte dos Traidores

Autor: Robin Hobb
Editora: Edições Saída de Emergência
Número de páginas: 368

Sinopse
Os Seis Ducados estão mais vulneráveis do que nunca. Enquanto o príncipe herdeiro combate os Navios Vermelhos com a sua frota e a força do seu Talento, o rei Sagaz enfraquece a cada dia com uma misteriosa doença e bandos de Forjados dirigem-se para Torre do Cervo matando todos pelo caminho.
Mais uma vez, Fitz é chamado para servir como assassino real. Mas o jovem esconde outro segredo: ninguém pode saber que formou um vínculo com um jovem lobo através da magia proibida da Manha e, se for descoberto, arrisca-se a uma sentença de morte. 

Quando o príncipe herdeiro embarca numa perigosa missão para pôr fim à ameaça dos Navios Vermelhos, a corte é entregue nas mãos do príncipe Majestoso que tem os seus próprios planos maquiavélicos para o reino. Cabe ao jovem bastardo proteger o verdadeiro rei numa corte prestes a revelar a face dos traidores num clímax memorável.

Opinião
Neste terceiro volume d’A Saga do Assassino, a acção adensa-se e assistimos a um desenvolvimento mais emocionante e trágico na história dos Seis Ducados. As intrigas palacianas ganham um novo ritmo com os novos elementos (inseridos no volume anterior) e com o crescimento de Fitz, que ganha ainda mais notoriedade, demonstrando bem porque é considerado um dos melhores protagonistas da Fantasia.
O talento de Hobb para criar personagens apaixonantes e misteriosas já era visível mas com os novos desenvolvimentos que a trama ganha em A Corte dos Traidores, torna-se, obviamente, excepcional. Castro, o Bobo, a Dama Paciência, entre outros, ganham novos contornos que irão trazer-nos mais sobre o passado e o presente dos Visionários, desvendando enigmas ocultos e trazendo novas respostas. Do impasse à catástrofe total, este volume é o início do clímax desta saga, tornando-o mais épico e extraordinário do que os anteriores.
Depois de dois volumes brilhantes porém lentos em acção, este terceiro volume surpreende-nos do início ao fim pela sua carga bélica e estratega que provocam transformações inesperadas. O facto de não “lançar as cartas” antes do tempo é uma das suas melhores e mais entediantes características, agarrando-nos pelo desespero de saber mais, de descobrir o que afinal aconteceu aos habitantes de Torre Cervo e permitindo-nos delinear a nosso bel-prazer intrigas e contratempos até ao próximo livro. Existe melhor maneira de agarrar um leitor ávido? Robin é uma “construtora” de histórias e sabe, ao seu ritmo, dar-nos os heróis e a história certos.
Rendo-me é o melhor elogio que posso dar ao trabalho desta escritora que até George R. R. Martin aplaudiu. Confesso que foi com o “pé atrás” que iniciei a leitura de O Aprendiz do Assassino mas fiquei absorvida com o que descobri e cada vez mais tenho a certeza que teria perdido algo muito importante se não tivesse pego nesse livro.
Para mim, este é o melhor dos três livros da saga que já li em termos de acção, mudanças e reviravoltas. Que a história melhora a cada volume é notório. E uma coisa é mais que certa…Fitz e companhia chegaram para ficar nos nossos “corações fantásticos”.

7* 

2 comentários:

  1. Olá Patrícia! Estou a ler agora A Corte dos Traidores.
    Eu gostei dos dois volumes anteriores, embora tenha de confessar que o primeiro não me tenha deslumbrado sobremaneira. No entanto, o segundo volume já é outra história.
    Fiquei agarrada à leitura e espero que este terceiro volume ainda me venhaa surpreender mais. As opiniões que tenho lido são testemunhas disso mesmo! Espero juntar-me à esmagadora maioria também :)

    ResponderEliminar
  2. Filipa, pelo que percebi já vais mais adiantada que eu e espero que ainda entusiasmada pelo nosso Fitz =D

    P.S. desculpa pela resposta tardia.

    ResponderEliminar