terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Opinião - A Espada de Fortriu

Título Original: Blade of Fortriu (#2 The Bridei Chronicles)
Autor: Juliet Marillier
Editora: Bertrand
Número de Páginas: 576


Sinopse
 Depois de O Espelho Negro, chega-nos o segundo livro das crónicas de Bridei.
Inspirado numa poderosa figura histórica, contemporânea do célebre Rei Artur, Bridei é uma imagem de liderança e de carisma, a resposta de Marillier à pergunta: o que é preciso para ser um líder poderoso e carismático?
A Espada de Fortriu cobre os primeiros seis anos do reinado de Bridei como rei de Fortriu.
O reino de Fortriu gozou de cinco anos de paz desde que Bridei chegou ao trono. Agora, o rei prepara-se para uma guerra há muito esperada que, segundo pensa, banirá para sempre do Ocidente os invasores Galeses. A princesa Ana, refém de Fortriu desde a sua infância, é enviada para Norte, para se casar, estrategicamente, com um líder que nunca viu, e com isso ganhar um aliado no qual se baseia a vitória de Bridei. A sua escolta é conduzida por um homem que ela despreza: o enigmático Faolan, assassino e espião de Bridei.
A expedição é infortunada e, quando Ana chega junto do líder a quem fora prometida, numa fortaleza perdida nos Bosques de Briar, ela não se sente à vontade. Trata-se de um lugar cheio de segredos. Quando Ana descobre um prisioneiro mantido na mais austera reclusão, é confrontada com uma conspiração de silêncios. Entretanto, Faolan percorre um delicado caminho entre a lealdade e a traição.
As forças de Bridei marcham para o campo de batalha. Mas aos que ficam para trás é revelado que o seu rei marcha em direcção à derrota e, mais do que isso, o espera a morte certa. Só um mensageiro é capaz de o alcançar a tempo, mas chamá-lo porá em perigo o que é mais querido para Ana.

Opinião 
Depois dos acontecimentos decorridos em O Espelho Negro, este livro apresenta-nos uma história diferente. Cinco anos passados desde os acontecimentos anteriores, A Espada de Fortriu não só nos dá a conhecer a nova vida de Bridei e Tuala como se centra em duas das anteriores personagens secundárias que me suscitaram mais curiosidade: Ana e Faolan. Num espaço diferente e com uma narrativa ainda mais forte e introspectiva, Marillier volta a surpreender e a mostrar que não é só Sevenwaters que ela sabe escrever.
Após o fantástico primeiro volume de As Crónicas de Bridei, foi quase com desespero que me agarrei imediatamente a este segundo volume. A curiosidade espicaçou-me de tal maneira que não descansei enquanto não dei esta leitura por terminada. Se não me engano, li-o em dois dias!
Mais uma vez reencontrámos todas as personagens que me conquistaram no livro anterior numa nova fase das suas vidas. Está na altura de colocar os sonhos em funcionamento e pôr finalmente em prática tudo aquilo porque lutaram. O crescimento de algumas personagens é um dos factores interessantes deste livro. Ver finalmente o rei Bridei em acção, observar o resultado final de todo o ensinamento de Broichan é como chegarmos, por fim, aquilo que todos ambicionámos. E perceber que por isso as coisas não vão ficar mais fáceis e novos desafios espreitam no horizonte torna toda a profecia em redor do jovem, ainda mais interessante. Observámos não só o rei, o guerreiro e o apaixonado dos deuses mas também o marido e pai. Marillier mostra todos os lados do poder com a sua mestria e não se esqueceu de nos dar um vislumbre não só sobre este mas também de todos os que o rodeiam.
Mas o ponto alto é bem capaz de ser a viagem de Ana e Faolan e tudo o que decorre daí. Conhecer melhor estas duas personagens secundárias foi o que mais me entusiasmou. Todos os detalhes da viagem, as mudanças pessoais que ocorrem daí, envolvem alterações muito preciosas para o futuro e transformaram esta leitura em algo mais profundo e humano, do que seria de esperar. Faolan foi a surpresa deste livro, o que eu agradeço imenso, e acabou por merecer um lugar especial pois a sua complexidade está magnífica e foi uma das razões porque eu adorei este livro. Quanto as novas personagens, adoro a maneira como a autora entrelaça tudo e todos de forma a criar ligações especiais e, claro, a sua forma de criar histórias de amor verdadeiramente românticas.
O enredo está dividido em três espaços: a viagem, a corte e a batalha. Todos eles se interligam de uma forma consistente, criando momentos tão activos quanto emotivos em todos os cenários. Com o Juliet a acção não paralisa. Ela está sempre a tecer os fios do destino e há sempre uma razão para tudo. Este livro está cheio de pontos altos mas uns quantos em especial que me emocionaram de uma maneira que já não acontecia à algum tempo.
Posso dizer-vos que vale a pena enredarem-se nesta trilogia, há pouca coisa assim por aí.

7*

3 comentários:

  1. Então já leste a trilogia e estás agora a comentar :D

    Que dizer mais uma grande demanda criada pela Juliet onde o nosso amigo Faolan tem um grande destaque e que mostra ser uma grande personagem, diria mesmo, ninguem lhe ficará indiferente.

    Neste livro adorei tambem Drustan, muito fixe, tal como o amigo que ajudou Faolan e que teve um papel determinante.

    O vilão da história tambem é muito bom (cnsegue ser deveras irritante a mauzinho LOL)

    Muito bem, fico a aguardar pela critica ao Poço das Sombras ;)

    ResponderEliminar
  2. Faolan é das minhas personagens favoritas de Juliet Marillier por ser uma fabulosa contradição ambulante! E essa complexidade é ainda mais fantastica no terceiro da saga. Juliet, vá lá escreve mais um livro sobre as Crónicas de Bridei, por favor:p

    ResponderEliminar
  3. Paulo, Jojo, o que dizer deste contraditório Faolan que fez com que me atirasse avidamente a "O Poço das Sombras"?
    Esta personagem é brilhante em todos os seus momentos e consegue mostrar-nos todos os lados de uma pessoa. Deveras fantástico.

    E, já agora.... Oh Juliet escreve lá mais um *.* siiiiiiiiim?

    ResponderEliminar