sábado, 14 de maio de 2011

As Filhas do Rei

Autor: Nathalie Mallet
Editora: Edições Saída de Emergência
Número de páginas: 318

Bem para norte da escaldante terra desértica de Telfar jaz o gélido reino de Sorvinka. O Príncipe Amir viaja para lá, com o objectivo de pedir ao rei a mão da bela Princesa Eva em casamento.
Mas Sorvinka tornou-se perigosa durante a ausência da Princesa Eva e, à sua chegada, o acolhimento na fortaleza da família real é tão amargamente frio como a própria terra.
Acostumado à prisão dourada em que foi criado, o Príncipe Amir tem de lidar com os estranhos e cruéis costumes dos Sorvinkianos. Tem de enfrentar as agruras da vida no castelo e a brutal hierarquia da nobreza sorvinkiana. Para sobreviver tem de descobrir a verdade por trás do rapto da filha mais nova do rei, a Princesa Aurora.
Os desafios sucedem-se, a par dos mais macabros acontecimentos, e a magia paira no ar... Mas o que pode fazer um estranho em terra estrangeira?

Definitivamente, Nathalie Mallet não me inspira. O facto de mudarmos de ambiente ao seguirmos o nosso protagonista das quentes terras orientais para as terras frias nórdicas prometia novas mudanças e aventuras. E trouxe, lá isso é verdade! Mas não foi o suficiente.
Primeiro parece que (quase) todas as personagens deste livro têm dupla personalidade, ou seja, eu passei de "não engraçar" a detestar a princesa Eva, o príncipe Amir passa de bestial a "besta" em poucas páginas, o príncipe Diego passa de detestar a amar a noiva (uma das irmãs da Eva) de um momento para outro, entre as (restantes) outras personagens. Sim, eu ia perdendo a cabeça.
Posso agradecer o facto de que também neste livro a autora consegue manter-nos interessados ao longo das páginas com um bom ritmo de acontecimentos e mais um puzzle misterioso, desta vez com lendas russas à mistura, (eu que sempre achei piada à Baba Yaga gostei imenso deste pormenor) e que tinha tudo para dar um "melhor ar" ao livro, não é que, o "mau da fita" é previsível como tudo? Mas o final tinha de ser a coisa mais imprevisível de todas no livro! E eu ainda não sei se gostei...
Pois, realmente é pena que um livro que tinha tão bons ingredientes para dar certo tenha ficado perdido no meio das ideias da autora que se devia ter ficado pela simplicidade. Continua a ser uma leitura de entretenimento mas não me vejo a ler esta autora pelos próximos tempos.

3/7




 

O Príncipe da Prisão Dourada

Autor: Nathalie Mallet
Editora: Edições Saída de Emergência
Número de páginas: 320

Há muitos anos, nas terras do Ocidente, o império Otomano era um dos mais poderosos de todo o Mundo. Era uma sociedade que se regia por leis diferentes. Era seu costume, em vez de matar todos os príncipes rivais como acontecia na antiguidade, estes serem mantidos em prisões tão luxuosas que rivalizavam como o melhor dos palácios.
Amir é um desses príncipes. Estuda alquimia e tenta sobreviver afastando-se das intrigas e competição entre os seus irmãos. Mas por ser tão misterioso e sábio, torna-se um dos principais suspeitos de assassinar os irmãos, que estão a morrer um após o outro. Aparentemente são mortes inexplicáveis. Ajudado pelo seu irmão Erik, Amir terá que desvendar múltiplos segredos para evitar ser sacrificado ou até executado por ordem Real.

Admito que só trouxe o livro para casa porque era oferta na compra d'As Filhas do Rei e que estava um pouco na dúvida sobre o que ia sair desta leitura. Bem, não foi nada daquilo que estava a espera.
Se estão a espera de grandes pormenores históricos, esqueçam. Aliás a sinopse baralha um bocado, principalmente o início e, por isso, aquilo que acham que é, não é. Mas, passemos à frente disso, visto que o livro é mais inclinado para o fantástico do que para o histórico.
Proporciona realmente horas de entretenimento através de uma leitura em que não falta acção e momentos em cadeia, em que uma coisa acaba de acontecer e já está outra a "cair-nos em cima", não nos permitindo pensar senão em "montar as peças" do intrincado puzzle que nos é apresentado e em descobrir os culpados da tramóia (em sua defesa, desta vez não adivinhei quem era o "mau da fita").
Não adorei. Parece que falta algo às personagens e a história e, definitivamente, não engracei com a amada do nosso protagonista (que também nos deixa algo confusos). Um ponto a favor, é o "ar oriental" da história que devia ser mais vezes aproveitado na literatura (e melhor), que dá um "ar da sua graça" neste livro e é o que lhe dá o seu toque especial. Outro, é que aquele tipo de livros infanto-juvenil que encanta pequenos e graúdos.

4/7




sexta-feira, 13 de maio de 2011

Booking Through Thursday - Idade Apropriada

Lês livros direccionados à outras faixas etárias? Livros para adultos quando eras criança; livros para jovens-adultos agora que és crescido... Sabes, livros que não são direccionados para ti. Ou limitas-te ao que é escrito para pessoas da tua idade?

Desde sempre que me lembro de ler, pelo meio de Uma Aventura, O Clube das Chaves, entre outros, aquilo a que chamámos os "clássicos": O Conde de Monte Cristo, Sandokan, O Tigre da Malásia, Quo Vadis.... E ainda hoje gosto de dar "uma volta" pelos livros de Meg Cabot. Quando descobri a minha paixão pela História aos 9 anos, comecei a "devorar" romances históricos antes de descobrir o fantástico.
Para mim nunca houve diferença etária nos livros, se eu queria aquele livro, eu lia-o, considerassem-no adequado ou não (principalmente porque me fartei da literatura infantil muito rapidamente). As vezes, ser "adequado" não significa que nos vá proporcionar bons momentos até pelo contrário, pudemos achá-los aborrecidos ou sem conteúdo ou interesse.
Os livros não têm idade, foram feitos para serem lidos por quem quisesse, independentemente se tens 8, 28 ou 68 anos. São a nossa mentalidade, gostos, preferências e feitios que escolhem a nossa leitura, não a idade. Afinal, velhos são os trapos!

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Theme Thursday

Pessoa do Sexo Feminino (descrição de uma mulher/rapariga)

"Obviamente que sim: as ilustrações das capas dos almanaques de um penny. Uma mulher bronzeada com uns braços semelhantes aos de um gorila a varrer uma ravina numa selva de Gelileão com uma enorme gema lilás roubada de um templo numa das mãos."

p. 111 , A Corte do Ar de Stephen Hunt

Booking Through Thursday

E o inverso da pergunta da semana passada. Nomeia um livro do qual esperas que nunca, mas nunca, se faça um filme (por melhor que fosse esse filme).

 Todos os meus livros preferidos exactamente por o serem. Todos os filmes que partiram de um livro que gostava fizeram com que eu quase tivesse um treco. Por mais bons filmes que sejam para um leitor que teve o prazer de apreciar aquela história em páginas nunca fica satisfeito porque geralmente o filme acaba por não ser nada daquilo de que estamos a espera, as partes que gostamos mais não aparecem, a história é modificada, os actores são mal escolhidos...enfim, prefiro que deixem os meus livrinhos sossegados senão é para fazer um excelente trabalho.

terça-feira, 3 de maio de 2011

[Divulgação] Donzela Sagrada


Chegou a hora…

 Hana Warren, uma rapariga do nosso mundo, festeja o seu 14º aniversário com a sua família. Depois do aparecimento da Aurora Boreal no céu, Hana é transportada para outro mundo, um mundo onde a mitologia é a realidade.
Neste mundo, Hana descobre que é a Horae Justiceira, uma guerreira dos deuses, destinada a combater as criaturas das trevas e a proteger ambos os mundos.
Juntamente com Prue Geller, a Horae Discípula, Hana inicia uma viagem pelo misterioso reino de Thunderland, procurando uma forma de cumprir o seu destino e voltar para o seu mundo.
Mas Thunderland tem um segredo sombrio que pode destruir todos os mundos…e que mudará a vida de Hana para sempre.

És fã de literatura fantástica? És apoiante da escrita em português e de novos autores? Então atreve-te a entrar em Thunderland e a entrar num mundo totalmente novo!

domingo, 1 de maio de 2011

Críticas em Atraso

Devido ao já referido problema com a Internet, estão em atraso as opiniões das seguintes leituras:

O Príncipe da Prisão Dourada
As Filhas do Rei
Glória Mortal
Eterna Paixão

Aquisições do Mês (e Feira do Livro)


Andei a "guardar-me" para a Feira do Livro de Lisboa mas não consegui resistir a este!=D

Eterna Paixão, Gwyn Cready

E hoje lá meti pé na feira e vim muito feliz para casa com estes!

O Vampiro Lestat, Anne Rice
Corações Sagrados, Sarah Dunant
O Punhal do Soberano, Robin Hobb
A Corte dos Traidores, Robin Hobb
(Oferta: O Voo da Águia, Simon Scarrow)