segunda-feira, 26 de março de 2012

Opinião - Vidro Demónio

Título Original: Demonglass (#2 Hex Hall)
Autor: Rachel Hawkins
Editora: Gailivro
Número de Páginas: 288

Sinopse
 Sophie Mercer pensava que era uma bruxa.

Foi por essa razão que foi enviada para Hex Hall, um reformatório para delinquentes Prodigium (bruxas, mutantes e fadas). Mas isso foi antes de ela descobrir o segredo da família, e que a sua paixão escaldante, Archer Cross, é um agente de O Olho, um grupo determinado em eliminar todos os Prodigium da face da Terra.

Afinal Sophie é um demónio, um de dois que existem no mundo - sendo o outro seu pai. O pior é que os seus poderes ameaçam as vidas de todos aqueles que ela ama. É precisamente por isso que Sophie decide ir para Londres para a Remoção, um procedimento perigoso que irá destruir os seus poderes.

Mas ao chegar, Sophie faz uma descoberta terrível. Os seus novos amigos também são demónios, o que significa que alguém os anda a criar com planos para usar os seus poderes para o Mal. Entretanto O Olho está à caça de Sophie, e está a usar Archie para isso. E no meio de tudo isto Sophie ainda tem de lidar com os sentimentos que não deveria ter por Archie.


Opinião 
 Sophie Mercer não é uma protagonista como as outras. Esta é a primeira coisa que pensámos quando entrámos em contacto com Hex Hall pela primeira vez. Num reformatório para adolescentes pouco comuns, Sophie vai descobrir que tudo em que acreditava não é tão claro como pensava. Depois do choque do resto do seu mundo desabar sem mais nem menos, a bruxa que afinal é um demónio, vai ter de lidar com os segredos daqueles que estão intrinsecamente ligados a si e com um inimigo que afinal não é uma lenda para assustar criancinhas.
Depois de Hex Hall, tudo muda. Hawkins aproveita este Vidro Demónio para deslindar o que se passa fora do reformatório e para aprofundar o que são os Prodigium e qual a ligação de Sophie e do pai com o conselho que rege todas as criaturas fantásticas. A realidade é que não se sente falta do espaço de Hecate Hall neste livro. A alteração de cenário contribui para abrirmos novos horizontes na leitura das aventuras de Sophie e traz mistérios e novos conceitos que permitem uma leitura mais refrescante sem nos sentirmos presos ao livro anteriro e, por outro lado, impede-nos de ver as falhas que se iria encontrar se a autora tivesse mantido a mesma linha do livro anterior.
Este continua a não ser um livro perfeito e mantém as fraquezas que já havia apontado ao volume anterior mas este é bem mais interessante, apesar de continuar a faltar uma explicação que nos situe melhor na história e que poderia causar um apego maior à obra. O “corte” suave com a situação deixada anteriormente e a forma como se começa a abordar o mundo em redor destas criaturas fantásticas faz com que leiamos mais entusiasticamente este livro.
Contudo, existe uma discrepância entre história e informação. A autora continua sem nos conseguir transmitir qual será afinal o rumo da história. Com a introdução de várias coisas novas, Hawkins desnorteia-se um bocado e deixa os seus leitores com a sensação de vazio no fim. Passa-se muita coisa dispensável e o importante acaba por passar ao lado devido à sua pouca exploração. Uma leitura portanto que entretém mas que não deixa saudades nem boas memórias, exceptuando Sophie.
É engraçado porque eu continuo a sentir que Sophie é uma personagem boa de mais para a história que a autora lhe criou. Esta é uma protagonista que por mais abalada sabe que o que quer muitas vezes tem de ficar em segundo plano e que apesar da confusão estar instalada consegue não se tornar deplorável e manter uma posição decisiva. De resto, sinto que houve um esforço forte na sua caracterização mas não com as restantes personagens. Archer, por exemplo, aparece muito pouco, o que é uma pena, pois este é uma personagem bem mais interessante e misteriosa do que as restantes que aparecem regularmente. Não consigo sentir ligação com qualquer outra personagem e algumas permanecem uma incógnita para mim.
O livro termina de uma forma emocionante que equilibra o resto do livro e que dá curiosidade para ler o próximo mas acaba por destoar de uma forma estranha e não achei que encaixasse ou não me consegui identificar com o caminho que a série está a seguir. Gostava de ver o tema dos demónios mais explorado mas parece que ainda vai demorar.
No fim, acaba por ser mais uma leitura que não aquece nem arrefece e que ficou longe, muito longe, do que podia ser. Não fiquei com pressa de ler o próximo e agora tenho a certeza que este não é o meu tipo de livro.

 4*

4 comentários:

  1. Eis uns livros em que tive muitas dúvidas em comprar, ainda bem que não o fiz,mas se me aparecer a oportunidade de os ler, vou fazê-lo.
    Obrigado pela tua opnião:)

    ResponderEliminar
  2. Se tiveres oportunidade não perdes nada milureis ;)

    Não tens de quê =)

    ResponderEliminar
  3. Já tinha olhado para este livro mas ainda bem que não o comprei... Já tenho tantos de sagas para seguir... ;-)
    bjs

    ResponderEliminar
  4. Malena, são tantas, tantas que temos de começar a ser selectas!

    Beijos e boas leituras

    ResponderEliminar