segunda-feira, 14 de maio de 2012

Opinião - Crónica de Paixões e Caprichos

Título Original: The Duke and I  (#1 Bridgertons)
Autor: Julia Quinn
Editora: ASA
Número de Páginas: 368

Sinopse
 As mães casamenteiras da alta sociedade londrina, estão ao rubro. Simon Bassett, o atraente (e solteiro!) Duque de Hastings, está de volta Inglaterra. O jovem aristocrata mal sabe o que o espera pois a perseguição das enérgicas senhoras é implacável. Mas Simon não pretende abdicar da sua liberdade tão cedo…

Igualmente atormentada pela pressão social, a adorável Daphne Bridgerton sonha ainda com um casamento de amor, embora a sua espera por um príncipe encantado comece já a ser alvo de mexericos.

Juntos, os jovens decidem fugir de um noivado, o que garantirá paz e sossego a Simon e fará de Daphne a mais cobiçada jovem da temporada. Mas, entre salões de baile e passeios ao luar, a paixão entre ambos rapidamente deixa de ser ficção para se tornar bem real. E embora Daphne comece a pensar em alterar ligeiramente os seus planos inicais, Simon debate-se com um segredo que pode ser fatal.


Opinião
 Traduzida em vinte e duas línguas, vencedora de três RITA Awards em quatro anos, Julia Quinn é finalmente traduzida em Portugal. Autora bestseller do New York Times, foi o membro mais jovem a entrar para o Romance Writers of America’s Hall of Fame.
A Série Bridgerton é composta por oito livros, sendo este o primeiro volume de uma série que já conquistou leitoras ávidas por todo o mundo, ou não tivesse Lisa Kleypas o considerado como o romance mais original do ano. Passado no século XIX, em plena Londres, vai ser difícil não se apaixonar pelas aventuras amorosas de oito irresistíveis irmãos por entre bailes, mexericos, muita etiqueta e ainda mais amor. Afinal, Nora Roberts considerou esta série «uma delícia!».
Através da blogosfera têm sido muitas as excelentes opiniões acerca desta série, o que me havia suscitado o interesse para conhecer a autora que anda a deixar as meninas felizes e, não é que quando eu andava a pensar nisso, Crónica de Paixões e Caprichos surgiu nas livrarias nacionais? Era bom que as editoras me lessem mais vezes o pensamento.
Para mim, este tipo de romance histórico não suscita dúvidas. A fórmula é geralmente a mesma e são muito poucas as escritoras que conseguem inovar num género em que o público feminino já se tornou mais do que exigente mas com tão boas perspectivas, confesso que tinha as expectativas em alta. E sabem uma coisa? Não saíram nada defraudadas.
Julia Quinn tem um estilo único num meio em que a concorrência é mais do que muita. Uma escrita irónica, divertida e maravilhosamente romântica que nos leva das lágrimas às risadas histéricas em poucos minutos, tal é a sua habilidade para nos colocar no meio da história. Há muito que não lia um livro com tanta atenção e, há muito, que não me divertia tanto nem, aliás, suspirava tanto. Quinn tem o poder de nos empolgar e entreter de forma viciante, em que se torna impossível largar o livro. Pensando bem, nem pensamos nisso.
As suas personagens são tão únicas e maravilhosas que não existe uma só que não nos marque, tornando difícil a tarefa de escolher uma personagem preferida. Cada uma dessas personagens é maravilhosamente construída, com o seu próprio feitio, com os seus próprios problemas, com o seu próprio charme e humor. O casal protagonista é absolutamente fofo e extremamente romântico e leva-nos ao rubro com as suas pequenas diferenças. Uma das coisas que gostei é que a autora não nos dá uma protagonista forte que vá perdendo esplendor enquanto se apaixona, antes pelo contrário, parece que a medida que a Daphne descobre que ama o Simon, ela torna-se ainda mais bonita, o mesmo acontecendo com ele, estando ambos em pé de igualdade, apesar dos segredinhos dele. De todas, apenas não gostei do pai dele, por razões óbvias mas de resto adorei a família Bridgerton.
A forma como a escritora construiu a história está, não só original como também genial, cada momento primou pela simplicidade e pela forma honesta e directa com que Julia escreve, levando-nos de um momento hilariante para outro sério com uma mestria que muitos gostariam de ter. O enredo está muito bem pensado, os pormenores são deliciosos, notando-se que Quinn tem paixão pelo que faz e que o consegue transmitir aos seus leitores. Para além disso, em termos históricos, está muito bem feito para o que é possível dentro deste tipo de livro, achei mesmo que as diferenças que este livro tem em comparação com outros romances dão-lhe um toque encantador e muito mais realista e conivente com a época, tornando-se um livro soberbo que agrada até as mais exigentes.
Depois de o ter terminado, adormeci com um sorriso nos lábios e, quando o livro faz isso, é muito mas mesmo muito bom sinal. Obviamente, fiquei fã da autora e vou seguir esta série com muito afinco e aconselho todas a fazerem o mesmo porque não sabem o que andam a perder, por isso, não percam mais tempo, leiam Crónica de Paixões e Caprichos.

7*

Sem comentários:

Enviar um comentário