terça-feira, 8 de maio de 2012

Opinião - Os Dilemas do Assassino

Título Original: Golden Fool (#2.1 Tawny Man)
Autor: Robin Hobb
Editora: Saída de Emergência
Número de Páginas: 364

Sinopse
 O seu nome é murmurado com temor e respeito.
A sua figura move-se nas sombras da noite e das políticas.
Acaba de salvar o herdeiro do reino. Mas será suficiente?

Depois de salvar o príncipe das garras dos pigarços e de sofrer a mais devastadora perda possível ao fazê-lo, o lendário assassino regressa ao lugar a que em tempos chamou lar. Aí, esperam-no dias difíceis de adaptação, mas também o esperam oportunidades, velhos e novos amigos e até um filho adolescente. E espera-o também um príncipe, do seu sangue sem que o saiba, dotado com as magias desse sangue mas sem conhecimentos para lidar com elas, e prometido a uma princesa estrangeira. Como irá Fitz lidar com todos os desafios que o aguardam em Torre do Cervo? Que soluções encontrará para os seus dilemas?


Opinião 
 George R. R. Martin chamou aos livros de Robin Hobb «diamantes» e «obra-prima», opinião que muitos dos fãs de ambos tendem a concordar. A crítica enaltece a brilhante caracterização das suas personagens mas não deixa de elogiar o mundo complexo dos Seis Ducados. Os leitores, pura e simplesmente, perdem-se nas suas páginas de uma fantasia épica como há poucas.
Nesta segunda trilogia do Bastardo, Robin Hobb demonstra que os elogios são mais que bem merecidos e que Fitz&Cia. ainda têm muitas cartadas para dar na literatura. Numa série mais madura e não menos complexa, mistérios mais subtis ameaçam os Seis Ducados e mais uma vez, é o Catalisador que terá de os salvar.
E cá estou eu mais uma vez de volta do Fitz. Isto está a tornar-se um, hábito e dos bons. Depois da maneira como o primeiro volume terminou, seria de esperar que começar este traria algumas mudanças e revelações, o que de facto aconteceu. Ficou comprovado neste livro a sensação que o anterior me havia dado de mais acção e objectividade, apesar de mantermos os capítulos mais introspectivos do Fitz, sem os quais esta saga não seria a mesma. Mas tal como o nosso protagonista cresceu, a série amadureceu com ele, trazendo-nos novas perspectivas e atitudes e, também, novos desafios.
Neste livro ainda há personagens para recordar e muitas para conhecer. Algumas estão apenas na consciência de outras personagens, outras são tão diferentes que trazem uma nova dimensão a um mundo tão nosso conhecido, permitindo-nos encaixar todas elas no nosso consciente. Se umas nos permitem matar as saudades e nos agrada revê-las de uma nova forma, é bom descobrir o que existe por trás de cada nova personagem.
Quanto ao enredo, sinto que neste livro ainda estamos a descobrir o que a escritora nos preparou para esta nova saga, ainda estamos a dar passos na areia movediça mas, pouco a pouco, as suas intenções vão tomando forma, aguçando-nos a curiosidade e levando a nossa mente a estudar perspectivas, uma vez que pressinto que, novamente, a escritora vai dar um caminho tortuoso entre vários inimigos ao nosso protagonista. Mas entre premonições não conclusivas, a verdade é que este livro tem um estilo bem mais activo do que os anteriores sem deixar de ter o carácter mais pessoal.
Por falar no carácter mais pessoal, este livro tem momentos de cortar a respiração ou de quebrar o nosso coração. Os dilemas de Fitz estão ainda mais fortes e o Bastardo vai ter muitas decisões a tomar e muito, ainda, a descobrir sobre si próprio e sobre os que o rodeiam. Nota-se que este é um livro de adaptação, não só do protagonista ou restantes personagens, mas também do leitor pois há muita coisa que ficou em aberto no final de A Saga do Assassino e que ainda está por resolver.
Contudo, o estilo de Hobb mantém-se e, mais uma vez, será a par e passo que nos irá deslindar cada mistério. Tenho pena de ainda não ter conhecido uma certa personagem nem ter revido outras duas mas agradou-me os novos desenvolvimentos e espero que alguns desejos antigos se tornem realidade, o que se calhar já é pedir de mais à autora.
Depois de páginas recheadas de promessas de aventuras e novas revelações, tivemos um final prometedor que me faz ansiar por pegar no próximo volume e saber que perigos aguardam os Seis Ducados. A verdade é que a qualidade da primeira trilogia é aqui superada e nota-se que autora soube aproveitar as qualidades e emendar os erros que cometera, conseguindo uma nova série ainda mais prometedora.
Mantendo a qualidade a que já nos habitou, Robin traz-nos uma nova aventura que nos agarrará tanto quanto a primeira. Mal posso esperar pelo resto.

7*

5 comentários:

  1. Excelente!

    Um dos melhores livros das duas sagas :D

    ResponderEliminar
  2. Eu estou cada vez mais curiosa em relação aos livros de Hobb. Tenho os dois primeiros da primeira saga. Acho que vou lê-los muito me breve.

    ResponderEliminar
  3. É verdade Maria!=D

    Jojo, são duas sagas fantásticas =D e não perdes nada em ler pelo menos esses dois a ver se gostas ;)

    ResponderEliminar
  4. Ola :D,

    Vejo que vais bem embalada nesta saga, na verdade quanto mais leio esta escritora mais se vai aproximando do top das minhas escritoras favoritas.

    Já está ai à porta o próximo a ver se o compro logo, pois a feira do livro foi uma desgraça para a minha carteira LOL

    BJS

    ResponderEliminar
  5. Olá!!

    Vou pois! Já cá tenho "O Sangue do Assassino" =p Eu já não vivo sem o Fitz *.*

    Nem me fales em Feira do Livro xD por acaso até me controlei este ano e procurei uns melhores preços =)

    beijinhos

    ResponderEliminar