domingo, 19 de agosto de 2012

Opinião - Anna Karénina

Título Original: Анна Каренина
Autor: Lev Tolstoi
Editora: Relógio de Água
Número de Páginas: 846

Sinopse
 «Embora seja uma das maiores histórias de amor da literatura mundial, Anna Karénina não é apenas um romance de aventura. Verdadeiramente interessado por temas morais, Tolstoi era um eterno preocupado com questões que são importantes para a humanidade em todas as épocas. Bom, há uma questão moral em Anna Karénina, embora não aquela que o leitor habitual possa crer que seja. Esta moral não é certamente o ter cometido adultério, Anna pagou por isso (num sentido vago pode dizer-se que é esta a moral do final de Madame Bovary). Não é isto, seguramente, por razões óbvias: se Anna ficasse com Karenin e escondesse do mundo o seu affair, não pagaria por isso primeiro com a felicidade e depois com a própria vida. Anna não foi castigada pelo seu pecado (podia muito bem ter-se safado deste) nem por violar as convenções da sociedade, muito temporais como aliás são todas as convenções e sem ter nada a ver com as eternas exigências da moralidade. Qual era então a «mensagem» moral que Tolstoi queria passar neste romance? Entendemo-la melhor se olharmos o resto do livro e compararmos a história de Lévin e Kiti com a de Vronski e Anna. O casamento de Lévin é baseado num conceito metafísico, não apenas físico, do amor, na boa-vontade e no sacrifício, no respeito mútuo. A aliança Anna-Vronski é fundada apenas no amor carnal e é aqui que reside a sua ruína.»

Do Posfácio, de Vladimir Nabokov.

Opinião 
 Lev Tolstoy é considerado por muitos um paradoxo e uma das personalidades mais intrincadas da literatura. Um cristão anarquista fervoroso, foi na década de 70 do século XIX que o escritor teve uma crise moral e espiritual que o levou a tornar-se um reformista social e um pensador moral, tendo inspirado figuras como Gandhi ou Martin Luther King Jr. com as suas ideias de resistência pacífica.
Mas o escritor russo é principalmente conhecido como um dos maiores escritores do mundo, muito devido a dois dos seus romances, Guerra e Paz e Anna Kareninna, ambos considerados como o apogeu da ficção realista e dois dos maiores romances de todos os tempos. Enquanto o primeiro foi escrito em 1864, antes da crise espiritual do autor, o segundo vem já dos novos ideais que Tolstoy havia implementado na sua vida.
Guerra e Paz foi um dos livros que marcou a minha adolescência e é o principal culpado do meu fascínio pela história russa. Por mais livros que leia, poucos conseguem atingir a grandiosidade deste livro e Tolstoy é, para mim, um dos escritores mais brilhantes do seu tempo. Aproveitando a estreia iminente de mais uma adaptação cinematográfica de Anna Kareninna com uma das minhas actrizes preferidas e realizado pelo responsável de alguns dos meus filmes preferidos, decidi que estava na hora de regressar a este autor e de ler finalmente este livro.
A complexidade desta história, a quantidade de personagens e as relações entre elas levaram a um início de leitura mais calmo mas assim que entrei no ritmo, nunca mais consegui larga-lo. Anna Karénina é um livro que se entranha, que nos conquista palavra a palavra até se tornar um vício e, não é de espantar, que o tenha lido em três dias tal foi o meu entusiamo a lê-lo. Tolstoy é um mestre que puxa o leitor para cada situação que apresenta, que conhecia cada problemática da sua sociedade e para quem todas as questões eram importantes. Ele dá-nos a sua época e o seu mundo em cada expressão, ensina-nos a amar ou a odiar cada qualidade ou defeito desta sociedade a entrar em ebulição, que aproveita cada momento antes do fim próximo.
Entre amores adúlteros e sinceros, vícios e costumes, evolução e regressão, o autor dá-nos tão mais do que isso. Desde as questões filosóficas às sociais, desde a política à economia, cada nuance do que foi o Império Russo é nos apresentado ao pormenor para que o leitor conheça todas as facções e tire as suas próprias conclusões.
Intensa, intemporal, apaixonante, assim é a história de Anna Karénina, que combate a sociedade por amor mas que não sobreviverá aos mais cruéis medos humanos. Nela a humanidade está presente no seu estado mais cru, onde as paixões combatem as normas, onde a vontade não se livra do dever, fazendo-nos viver com Anna as suas dores, a sua felicidade e os seus temores de uma forma tão abrangente como poucas protagonistas conseguem.
As personagens de Tolstoy são complexas, únicas e são em si mesmas reflexos de opiniões, posições e problemas da sociedade russa do final do século XIX. Cada uma delas tem um objectivo, cada uma delas representa uma facção da teia que é uma sociedade. Umas representam o imperialismo, a corte, a alta nobreza, outras os latifundiários, os militares, os pensadores. Cada degrau do que compõe este mundo está presente neste livro para criticar, ensinar ou louvar os princípios da Rússia. Nenhuma personagem é perfeita. É humana, têm defeitos como toda a gente e tanto pudemos adorá-las num momento como podemos, noutro, detestá-las. Cada uma tem as suas ideias, cada uma complementa todas as outras e, é difícil, não ficarmos assoberbados com a beleza e grandiosidade do que Tolstoy criou neste livro.
Uma narrativa única, rica em pormenores sociais e morais, onde cada caminho irá levar ao seguinte, marcam este livro e tornam-no intemporal e magnífico. Uma epopeia familiar onde ninguém é descurado e onde todos são atingidos pela violência do amor de Anna e Vronsky, Anna Karénina é um ataque aos sentidos do leitor, a sua capacidade de aprendizagem e sede de palavras fortes, densas, onde a sátira e a crítica estão patentes de forma tão crua, onde um homem enaltece e ataca com uma perícia que poucos ou nenhuns detêm.
Um prazer para um leitor que anseia por algo mais, este livro é belo, intenso e merece o epíteto de um dos melhores de todos os tempos, pois livros assim já não se escrevem, espíritos destes ainda não se levantaram para abrir os olhos às massas. Daqueles livros que marcam e ficam entranhados para sempre, Anna Karénina é um monstro da literatura que merece estar na estante de todos os leitores.

7*

16 comentários:

  1. Ois,

    Hum sempre tive algum receio d ler os escritores russos mas agora com este comentário fiquei com muita curiosidade, tenho que ver se na estante da maezinha existam lá livros deste escritor.

    Li o Crime e Castigo do Fiódor Dostoiévski e embora seja um livro muito interessante, não é aquela escrita que me cative por ai alem.

    Penso ter o Lolita do Vladimir Nabokov por ler, mas ainda não lhe peguei.

    Bom comentário sim senhor ;)

    ResponderEliminar
  2. Olá Paulo!

    Eu gosto muito dos escritores russos que li, devo confessar ;) O "Crime e Castigo" ainda não li mas o "Lolita" já, e apesar de não ser tão bom como este, é muito bom.

    Se quiseres começar pelo melhor, é mesmo Tolstoy =) Tanto este como o "Guerra e Paz" são dois dos melhores livros que já li e poucos conseguem igualar a forma do senhor escrever.

    Muito obrigada =)

    ResponderEliminar
  3. Tenho este livro na minha whislist. Já tinha visto esta edição dos Relógios de água, que tal está a tradução? Queria ler ainda este ano pois vai sair um filme no cinema em Dezembro mas o livro é enorme e tenho um pouco de receio de não ser aquilo que espero. Mas a tua opinião deu-me um novo ânimo!

    ResponderEliminar
  4. Eu acho que vale a pena dar os €35 pelo livro. A edição é linda e a tradução está boa ;) eu li-o por causa do filme também! Espero que o ânimo te leve a comprá-lo, é muito bom!

    ResponderEliminar
  5. Agora mesmo este é o livro que pousa na minha mesa de cabeceira, em parte devido ao filme :)
    É verdade que o preço é algo caro, mas realmente vale a pena pela edição...

    ResponderEliminar
  6. Espero que esteja a gostar, o livro é magnífico =)
    Vale mesmo, é uma edição lindíssima!

    ResponderEliminar
  7. Olá.
    Descobri este blog há relativamente poucos minutos. Andei por aqui a "coscuvilhar" até chegar ao meu escritor favorito, Tolstoi.
    O mestre russo, como lhe costumo chamar, é, para mim, um escritor fenomenal,como também é este livro - um portento na literatura universal. "Anna Karénina" marcou-me particularmente por uma única e simples razão: tudo o que lia sentia verdadeiramente aquilo a que "Karénina" teve de suportar - todas as mágoas, angústias e desesperos e tudo a culminar numa escrita genial e incomparável, aliada a uma crítica mordaz da sociedade russa do século XIX. Para mim, "Anna Karénina" permanecerá incólume nos meus livros favoritos, bem como, o excelente "Guerra e Paz". Enfim, não querendo alongar-me mais, é uma leitura extremamente aconselhável!

    ResponderEliminar
  8. Olá pedro aguiã,

    Primeiro, bem-vindo ao meu humilde espaço e segundo, muito obrigada pelo seu comentário.
    Tolstoi faz parte dos meus escritores favoritos desde a leitura magnificente de "Guerra e Paz" e é sempre um prazer encontrar fãs deste autor por aqui pois conseguem perceber o quanto esta leitura em particular me marcou. "Anna Karéninna" é um monstro da literatura difícil de bater, diria quase impossível, por tudo o que ela acarreta e nos dá, pois não é só um romance, só uma crítica, só um livro, é um símbolo de um génio que devia ser mais vezes lembrado.

    ResponderEliminar
  9. Querida não fazia ideia que já tinhas lido este livro, adorei a opinião e ainda fiquei com mais vontade de o ler :)
    Vou procurar também Guerra e Paz. E ainda bem que o filme é bom =)
    Beijinhos
    sandra

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Sandra!=D
      É sempre bom quando as nossas opiniões levam outros a ler livros que adorámos, e este é uma obra-prima da literatura.
      O Guerra e Paz, claro, é outra ;)

      O filme foi... soberbo, maravilhoso *.*

      beijinhos

      Eliminar
  10. depois de ler esta magnifica critica fiquei com imensa vontade de ler este autor que, infelizmente , ainda nao tive oportunidade de explorar, seja por pensar que a sua escrita talvez seja um pouco complexa ou por ter demasiada historia por detras ( falo de guerra e paz, pois, embora nao saiba nada da sua sinopse) mas a que estou disposta a dar uma opurtunidade , sem duvida que sera uma leitura que ficará para a vida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. FlowerShell muito obrigada e sê bem-vinda a este meu cantinho =)

      Tolstoí é sem dúvida um autor complexo mas é também um homem com um espírito imenso que nos deixou dois livros, como disse bem, que ficam para vida. Sendo dois livros diferentes e apesar de adorar ambos, penso que achará Anna Karénina mais acessível =)

      beijinhos e boas leituras

      Eliminar
  11. Gostei muito Patrícia, quero mesmo ler :)
    Eu disse, ia ler *.* ehehehhe

    Já leste 'O Grande Amor da Minha Vida'? Fiquei fascinada pela Rússia quando o li e foi por esse livro que quis ler Tolstoi :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É tão "monstruoso" Ivone mas no bom sentido =)
      É verdade xD

      Esse tá no top dos favoritos! Eu quero ler é o maldito poema do Cavaleiro de Bronze mas só encontrei em inglês e acho que não foi todo...

      Eliminar
    2. :)

      Não tenho o livro, tenho em ebook. Há-de ser o único desgosto. Ler o livro, mas em ebook e não ter o prazer de o folhear e de o ter na estante. Um dia, talvez, mas não para agora.

      Eliminar
    3. Ohhhh!:( Eu tenho a edição linda da Relógio da Água mas pude comprar porque me deram dinheiro senão continuava a sonhar...

      Eliminar