quarta-feira, 26 de junho de 2013

Opinião - A Cidade das Cinzas

Título Original: City of Ashes (#2 Caçadores de Sombras)
Autor: Cassandra Clare
Editora: Planeta Manuscrito
Número de Páginas: 360

Sinopse
 Clary Fray só que­ria que a sua vida vol­tasse ao nor­mal. Mas o que é nor­mal quando se é um Caça­dor de Som­bras? A mãe em estado de coma indu­zido por artes mági­cas, e de repente começa a ver lobi­so­mens, vam­pi­ros, e fadas? A única hipó­tese que Clary tem de aju­dar a mãe é pedir ajuda ao dia­bó­lico Valen­tine que, além de louco, sim­bo­liza o Mal e, para pio­rar o cená­rio, tam­bém é o seu pai. Quando o segundo dos Ins­tru­men­tos Mor­tais é rou­bado o prin­ci­pal sus­peito é Jace, que a jovem des­co­briu recen­te­mente ser seu irmão. Ela não acre­dita que Jace de facto possa estar dis­posto a aban­do­nar tudo o que acre­dita e aliar-​se ao dia­bó­lico pai Valen­tine… mas as apa­rên­cias podem iludir.

Opinião


  Jane Austen e J.K. Rowling têm uma coisa em comum, o facto de uma jovem autora ter começado a escrever baseando-se nas suas histórias até ao dia em que a sua imaginação a levou mais longe, a Idris e aos Instrumentos Mortais. Nasceu como Judith Rumelt no Teerão mas foi como Cassandra Clare em Nova Iorque que alcançou os seus sonhos depois de longos e tortuosos anos a escrever em revistas de mexericos. Inspirada por Manhattan, a autora decidiu escrever uma série onde a cidade fosse o palco e a alma de toda uma nova dimensão, uma série que a fez dizer adeus às revistas cor-de-rosa e a abraçar a carreira de escritora por inteiro.

  A autora que não escreve em casa porque se distrai com os reality shows e que prefere estar acompanhada pelos amigos quando está a escrever, é hoje uma das autoras mais conhecidas mundialmente graças a esse primeiro livro, publicado em 2007, chamado A Cidade dos Ossos que passou de uma trilogia a uma série devido ao seu enorme sucesso e cujo filme irá estrear em Agosto próximo. A Cidade das Cinzas é o segundo volume da trilogia original, foi traduzido para dezoito línguas e foi bestseller do New York Times bem como vencedor de alguns prémios.

  Um Caçador de Sombras não pode ter medos, um Caçador de Sombras não pode estar indeciso entre sangue e afecto, um Caçador de Sombras não pode deixar-se levar por um amor proibido. Mas quando isso acontece, e tudo em que acredita e o que é entram em confronto, ele deve escolher e nunca esquecer aquilo para que nasceu, proteger, fazer cumprir as leis, matar os seus inimigos só que nada, muito menos no seu mundo, é tão linear quanto parece e, agora, enquanto tudo vai se estilhaçar à sua volta, ele vai ter de mostrar que nada, aconteça o que acontecer, o pode impedir de ser o que realmente é, um Caçador de Sombras. 

  Depois de A Cidade dos Ossos eu pensava que já estava preparada para tudo o que Cassandra pudesse ter criado mas estava tão, mas tão enganada. Depois de uma primeira leitura explosiva, vibrante e imensamente viciante, esta revelou-se ainda mais tortuosa, surpreendente e fascinante, capaz de nos deixar de boca aberta e com o coração aos saltos tantas vezes que não ter um ataque cardíaco é uma sorte. Cassandra esmera-se ainda mais neste livro, dando-nos situações que transcendem tudo o que possamos imaginar e em que cada reviravolta é mais espectacular ainda que a anterior. Através de um mundo carismático, urbano e irreverente, a autora demonstra o porquê do seu enorme sucesso e a razão porque Caçadores de Sombras é uma série que vicia quase todos os leitores que lhe colocam a vista em cima. 

  Depois de um final que deixa qualquer um de boca aberta e a desesperar por este segundo volume, começar esta leitura é uma tortura do início ao fim num óptimo bom sentido. Tudo porque este livro é uma tal teia intricada de segredos, conspirações, mentiras e meias-verdades que o nosso cérebro não consegue parar um segundo. Cada acontecimento é feito para nos obrigar, para nos deliciarmos, a ler cada página como se fosse a última e, garanto-vos, parar antes do fim é quase impossível. Marcada por uma grande ousadia, inteligência e ironia, esta leitura satisfaz em pleno cada expectativa e ainda é capaz de a superar em grande escala.
 
  Como segundo volume de uma trilogia, pois era assim que esta série estava pensada originalmente, A Cidade das Cinzas é um dos melhores livros intermédios que já li. Nota-se que houve um cuidado e uma grande perícia por trás da sua construção, o que torna um meio não sensaborão e com pouco para dar, mas uma autêntica caixinha de surpresas que nunca nos cansa. Com um ritmo alucinante, uma perfeita noção de timing e revelações, este livro deixa-nos a morrer pelo próximo, literalmente. Não perde o ritmo do primeiro, deixa-nos loucos pelo que vem a seguir e satisfaz-nos como é possível um segundo volume satisfazer.

  Aqui podemos apreciar ainda mais as características deste mundo pois mais é nos revelado tanto do Mundo dos Habitantes-À-Parte como dos Caçadores de Sombras. A dinâmica entre espécies rivais, entre Caçadores e outros ou entre é explorada ao máximo, deixando-nos descobrir cada ligação e juntar as pecinhas do puzzle. Em termos de world building esta é uma série marcante e inovadora e mais uma vez isso se nota em cada característica ou história em que nos é apresentado e é, sem dúvida, um dos pontos de peso desta série.

  Quanto ao enredo, este é vibrante, explosivo e assustador no facto de que nunca sabemos o que nos espera na página seguinte. Adoro o facto da autora nos deixar pequenas pistas, frases de segundo sentido, peças chave por todo o lado e mesmo assim ficarmos sempre espantados com a reviravolta seguinte. A narrativa está muito bem construída, não há uma maior incidência numas personagens do que noutras e há uma perfeita noção da ligação entre acontecimentos. Muitas surpresas surgem ao longo desta leitura, muitos momentos tanto divertidos como emotivos, o que nos deixa com uma história com um balanço ideal e que nem nos cansa nem nos deixa a matutar demasiado na mesma coisa.

  A dinâmica entre personagens melhora ainda mais. Podemos conhecê-las mais a fundo e compreender os seus receios e expectativas, conseguimos perceber a profundidade das ligações sem precisarmos de palavreado exagerado para o demonstrar, e cada personagem tem algo para dar, não havendo uma tentativa de aperfeiçoamento de ninguém, nem dos protagonistas. As personagens são fortes, diferentes e marcantes, cada uma à sua maneira e todas nos dão vontade de as conhecer melhor. Jace e Clary marcam pela positiva, outra vez, e espero bem que eles tenham a sorte de haver um grande mistério a volta deles, estou a torcer por isso mas confesso, que fico satisfeita por não haver uma relação super híper mega lamechas nesta série.

  Cassandra deixa-me tão assolada que só me apetece pegar no próximo livro neste mesmo instante e confirma-me que é mesmo uma autora obrigatória na minha estante. Mais, é mesmo a senhora, dona e rainha neste género e parece-me, será difícil alguém levar-lhe o título. A Cidade das Cinzas é assim, uma continuação marcada pela positiva e que me deixou ainda mais rendida à série.

7*
 
As minhas opiniões da série 

2 comentários:

  1. Eu fiquei tão viciada nesta saga que os li numa semana. Tal como tu, adoro a relação do Jace e Clary porque é completamente distinta dos livros ditos "young adults". Fora a lamechice!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu estou a tentar controlar-me Jojo!
      A relação deles é tão fantástica *.* lamechice, põe-te a andar xD

      Eliminar