terça-feira, 23 de julho de 2013

Opinião - Desejada

Título Original: Goddess of Spring (#2 Goddess Summoning)
Autor: P. C. Cast
Editora: ASA
Número de Páginas: 352

Sinopse
 Lina é proprietária de uma padaria Gourmet em Tulsa mas, infelizmente, o negócio não está a correr como esperado e ela precisa de um plano. Quando tropeça, acidentalmente, num livro de culinária italiana da deusa, Lina não consegue deixar de pensar que encontrou a solução para os problemas, mesmo que isso implique invocar uma deusa para salvar o seu negócio. Em breve, Lina encontra-se cara a cara com Deméter, que tem o seu próprio plano. Ela propõe que Lina troque a alma com Perséfone, a deusa da primavera, que irá dar uma nova vida à padaria. Em troca Lina terá que repor a ordem no submundo.

Depois de ocupar o corpo de encantadora Perséfone, Lina, cujos problemas eram massa azeda e segundos encontros, tem agora assuntos maiores em mãos, como levar a primavera ao mundo dos espíritos. Mas, quando o belo e perigoso Hades acende uma chama no seu coração, Linda não pode deixar de se interrogar se o senhor do submundo não será o homem dos seus sonhos…


Opinião

  Phyllis Christine cresceu entre Illinois e Oklahoma, estado onde se apaixonou por mitologia e pela raça Quarter Horses e, onde ainda hoje vive com a sua filha, um gato, vários scotties e cavalos. Tulsa, a cidade onde vive, é o palco da maior parte dos seus livros. Esteve na Força Aérea onde começou a escrever, tendo mais tarde se tornado professora de Inglês do secundário, profissão que exerceu durante quinze anos até se dedicar à escrita por tempo inteiro. Foi em 2001 com a série Divina por Engano, que irá ser publicada este ano nosso país, que começou a sua carreira de escritora mas foi com A Casa da Noite, a série que escreveu com a filha que alcançou mais sucesso.


  Iniciada em 2003 com A Deusa do Mar, o primeiro dos sete livros que compõem a série, O Chamamento da Deusa é “a menina dos olhos” de P.C. e a sua segunda série a ser publicada em Portugal. Desejada, o segundo volume, chegou-nos há um ano e está hoje traduzido para seis línguas.


  Uma mulher que precisa de ajuda urgentemente. Uma deusa com uma missão em mãos. E um livro que as vai unir e mudar as suas vidas. Da padaria para o Mundo Subterrâneo, da nossa realidade para a morada dos deuses, Lina tem uma difícil tarefa em mãos: levar as sensações da Primavera a um local que ela relaciona com a morte e o Inferno. Mas e se o Hades não for o que ela espera? E se o deus que lhe dá o nome for afinal muito mais do que ela pensa? Presa a um favor devido a uma deusa, Lina vai ter de fingir ser outra pessoa mas a alma não obedece a promessas nem consegue disfarçar a sua verdadeira natureza.


  Depois de Deusa do Mar ter sido uma tentativa frustrada para me conquistar, eis que Desejada (ou como prefiro chamar-lhe, Deusa da Primavera) conseguiu o feito dos feitos: convencer-me que afinal P.C. Cast até sabe escrever. Melhor em muitos aspectos que o seu antecessor, poucas são as falhas a apontar a este livro que reavive e transforma um dos meus mitos gregos preferidos, o rapto de Perséfone. Apesar de ter a falha de logo no início dizer que este mito é falso e de a história não ser muito condizente com ele, a verdade é que a autora conseguiu não só dar-nos um enredo interessante como criar uma história bonita e diferente e, por isso, só por isso, vou perdoar-lhe, coisa rara. Com uma escrita mais agradável, fluída e madura, P.C. conduz-nos a uma visão única e maravilhosa não só do Hades como também do amor mais maduro, da questão das almas gémeas e da espera de um amor que valha realmente a pena. 


  Mais uma vez, a imaginação da autora é posta a prova, e se no livro anterior ela pouco a usou, neste ela usa e abusa dela de uma maneira que nos arrebata. O Mundo Subterrâneo de Cast é menos obscuro do que aquele que idealizo mas mais belo, mais suave e magnificente de uma forma que me agrada e muito, mais, surpreendeu-me e conquistou-me de imediato. Todos os pormenores relacionados com a caracterização do Hades foram soberbamente pensados e colocados no papel, desde as almas aos cenários, desde os objectos mais simples como as flores ao grandioso castelo de Hades, tudo foi feito para nos apaixonar e mostrar a delicadeza e sumptuosidade não só deste mundo como da história nele narrada. Em vez de usar o lado mais negro e distorcido que podemos ligar a este mundo, a autora saí vitoriosa ao mostrar que este local da mitologia grega é não só feito de condenação e castigo como também de recompensa e segundas oportunidades. Um ponto a favor para mim, foi ela ter utilizado outros mitos relacionados com o Hades de uma forma irreverente e inteligente, enriquecendo bastante a narrativa.


  Quanto à história em si, é como um conto de deuses e ninfas dos tempos modernos. Através de sentimentos como a pureza, a dedicação, a sinceridade e o amor desinteressado, Desejada é um livro que apela aos mais românticos, aos que acreditam no para sempre e nas almas gémeas, no reencontro e na eternidade de um amor que cresce e amadurece com o conhecimento e o tempo. Através de uma narrativa pautada, doce e apaixonada de uma forma subtil, que entrelaça mitos antigos e sonhos de hoje, este livro é uma delícia que consegue mesmo fazer-nos mudar de opinião quanto à sua autora. Tenho apenas dois reparos a fazer, o facto de que adorava ter conhecido melhor Perséfone e de ter podido ler sobre as suas aventuras no nosso mundo pois penso que teria sido uma história igualmente interessante de conhecer e que teria dado uma outra vida a este livro e, o fim, tão apressado e pouco satisfatório, pois apesar de ter gostado da forma como terminou, gostava também de ter sabido mais sobre o que se passou entretanto.


  Ainda mais neste livro se nota as personagens bem construídas e mais credíveis que a autora é capaz de criar, mas principalmente, que consegue fazer um excelente trabalho com personagens mais maduras. Carolina é a personificação perfeita da mulher bem-sucedida e madura dos dias de hoje, uma pessoa que conta com a experiência da vida e que pensa antes de agir e que acaba por ser a solução perfeita para a falta de uma figura feminina no Mundo Subterrâneo. Já Hades é sem dúvida, a personagem que não deixa ninguém indiferente. Completamente o oposto do Hades que eu e muitos imaginaríamos, acaba por ser uma visão que se adequa e encaixa quase perfeitamente neste mundo, sendo uma personagem que nos enternece e apaixona em igual medida. Tenho só pena que a autora não saiba a diferença entre Hades e Hefesto, já que este último é que anda nas forjas mas devido a forma como ela encaixou esta actividade na história, eu vou, mais uma vez, perdoá-la.


  Desejada é um livro que vai deixar muitos dos leitores anteriores de P.C. Cast estupefactos e agradavelmente surpreendidos pois consegue misturar mitologia e romance de uma forma quase perfeita e mostra uma imaginação que deixará muitos arrebatados. Dou a mão à palmatória quanto a esta senhora, só desta vez, mas satisfeita com o resultado.

6*
 
As minhas opiniões da série

Sem comentários:

Enviar um comentário