quinta-feira, 18 de julho de 2013

Opinião - Um Desastre Maravilhoso

Título Original: Beautiful Disaster
Autor: Jamie McGuire
Editora: Planeta Manuscrito
Número de Páginas: 344
Sinopse
 A Boa Rapariga: Abby Abernathy não bebe, não pragueja e trabalha muito. Está enterrada no nefasto passado, mas, quando entra no colégio, os seus sonhos de um novo começo sofrem um desafio numa noite.
O Mau Rapaz: Travis Maddox, sensual, atlético e coberto de tatuagens é exactamente o que Abby precisa – e quer – evitar. Ele passa as noites a ganhar dinheiro num clube de combate e os dias no colégio Lothario.
Desastre Iminente?... Intrigado pela resistência de Abby ao seu charme, Travis entra na sua vida por uma aposta. Se perder, deverá viver em celibato durante um mês. Se Abby perder, terá de viver no apartamento de Travis por um período semelhante.
…Ou o Princípio de Algo Maravilhoso? Travis não faz ideia de que encontrou uma parceira de jogo à altura. Ou será o princípio de uma relação obsessiva que irá conduzi-los a um território inimaginável…
Opinião


  Jamie nasceu em Tulsa, Oklahoma e foi criada pela mãe. Licenciou-se em Ciência Aplicada de Radiografia mas hoje é escritora a tempo inteiro e dedica-se a vários projectos. Continua a viver em Oklahoma com o marido, Jeff, um verdadeiro cowboy, e os três filhos mais seis cavalos, três cães e um gato.


  Quando Jamie decidiu dedicar-se à escrita começou como autora auto-publicada. Lançou o seu primeiro livro em 2010, o início de uma trilogia, mas foi em 2011 que o seu sucesso realmente começou. Desastre Maravilhoso conquistou a crítica e o público de tal maneira que a autora decidiu escrever um segundo livro sobre a perspectiva do protagonista, Travis e vai lançar uma série sobre os irmãos deste, estando o primeiro planeado para o próximo ano apesar de ainda não ter título nem sinopse.


  Traduzido para dezanove países e com os direitos para filme comprados pela Warner Bros, Desastre Maravilhoso é considerado um herdeiro de Cinquenta Sombras de Grey e chega agora ao nosso país para conquistar os corações.


  Ele é absolutamente louco e totalmente o oposto do que ela quer. Ela é completamente diferente do que ele está habituado. Juntos são um desastre prestes a destruir tudo em seu redor mas o que os une é demasiado maravilhoso para eles o puderem negar. Nas zonas escuras, suadas e sangrentas das lutas ilegais, nas salas de aula e refeitórios cheios de gente, debaixo das luzes e ofuscação de Las Vegas, Travis e Abby vão ver a sua relação sofrer todos os obstáculos, vão ter de lutar contra todas as impossibilidades e sobreviver à tempestuosidade e loucura que os une. Cercados pela intensidade da sua relação, eles vão ter de fugir ou aceitar que por pior que sejam juntos, só assim serão felizes. 


  Jamie apresenta-se aos leitores com um livro que divide opiniões, que se ama ou se odeia mas que irá certamente criar polémica. Confesso que tinha algumas esperanças acerca dele, algumas opiniões eram bastante boas, mas parece que vou fazer o papel de má da fita nesta história. Um Desastre Maravilhoso é uma história de loucos, cheia de violência e obsessão, que nos faz precisar de um Xanax logo na página 65 e cuja necessidade de cura e normalidade vai aumentando desesperadamente conforme avançámos na história. Senti-me cansada, à beira de um ataque de nervos durante todo o livro e, quase, quase, que ele foi contra a parede. E porquê? Porque não existe nada de bom ou satisfatório numa história em que durante todo o livro eles discutem, agridem, fazem as pazes, discutem, agridem e fazem as pazes e nada mais acontece. Nada. Absolutamente nada. Ah, e um momento a High School Musical que me deu vontade de vomitar.


  Basicamente este desastre nada maravilhoso resume-se a uma relação. Uma relação disfuncional que destruí tudo a sua volta cujas bases são o ciúme, a violência, a pressão e a possessividade, e que vai de um extremo ao outro em segundos. Através de comportamentos bipolares, tresloucados, infantis e muito pouco coerentes, vamos vendo esta espécie de relação a andar sempre para trás e cada vez mais perto de uma situação infernal e, conforme a coisa não melhorava de todo, eu enquanto leitora estava a enlouquecer com esta gente marada de uma forma pouco natural.


  Como pano de fundo, a vida universitária, quando dava jeito para não pensarmos que eles andavam só a discutir ou nas lutas, mas a vida universitária mostrada do prisma mais irrisório, ilegal e errado. Jovens com dinheiro nos bolsos que nunca mais acaba, grandes máquinas, festas e compras não é uma situação normal, a menos que os pais sejam milionários ou que se matem a trabalhar a anos ou, como é o caso deste livro, em várias situações ilegais. Uau estou tão impressionada. Depois temos as famílias inexistentes ou passados mal explicados dos protagonistas. A sério que isso é justificação para eles serem os imbecis parvalhões anormais que são? Melhor, onde está a justificação? Onde está a mãe da Abby? Não existe nada que justifique a idiotice completa destas criaturas.


  Falemos então das criaturas maravilhosas que fizeram a minha cabeça em água. Ele, Travis Maddox, cujo nome perfeito é mesmo Mad Dog, de facto, é lunático, um autêntico perseguidor, do pior possessivo que há e, ainda por cima, nem um mauzão decente é. A sério que acham que isto é um mauzão?? Um tipo que bate em toda a gente, trata mal toda a gente, persegue-te, faz cenas de ciúmes do piorio e depois só sabe chorar e dizer que te adora e que não é bom o suficiente para ti, e tretas assim? Não, isto é um tipo com um problema mental. O que vale é que eles são perfeitos um para o outro porque a Abby é outra estronça que faz tudo o que ele quer, aceita tudo o que ele diz e ainda acha um máximo ele bater em toda a gente por ela. Digam-me, como é que não enlouqueci a ler isto? Não faço a mais pálida ideia. 


  E o que me irrita mais é que a parte boa foi para aí umas cinco páginas, não serviu para nada e podia ter sido um plano de fundo fantástico para este livro porque sim, o póquer, mal explicado e sem emoção, foi a melhor parte deste livro. por favor, Las Vegas, não me abandones no meio deles!!!


  E resume-se assim o maior desastre literário do ano, de tão bom e maravilhoso que ele foi. Reprovado, reprovado, reprovado. E, nunca, mas nunca mais, me falem deste livro. Por favor. 

1*

8 comentários:

  1. Adorei a opinião e não podia estar mais de acordo :)

    Realmente...bad boy que é bad boy nem choraminga eheh

    É realmente preocupante como várias leitoras idealizam este tipo de personagens...vá ok, eu tmb quando li o Grey gostei um pouquinho do lado ciumento e possessivo, é natural, faz-nos sentir amadas mas não entremos em exagero. -.-

    A Abby acaba por não ter identidade nem personalidade própria pq só está preocupada em moldar-se ao que o Travis é, pq ama-o profundamente.

    E cada vez vejo mais livros com sinopses deste género e não sei se fujo ou se leio para comprovar que é tudo mais do mesmo.

    A leitura foi mesmo um desastre. :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Mafi!!

      Claro que todas gostámos de um bocadinho de possessividade mas tudo o que é exagerado é demais. Uma coisa é gostares de alguém, outra é gostares tanto que nem vês o mal que ela te faz...

      Exacto!

      Eu desisto. Tenho de desistir ou fico louca.

      De facto, foi ;_;

      Eliminar
  2. Yup, bem-vinda ao mundo da degradação ao pior nível. O pior é que as miúdas adolescentes lêem esta shit e crescem a pensar que o cavaleiro andante é um Maddox (porque na verdade também elas são tão vazias quanto a Abby).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigda Filipa, acho lool Não posso concordar mais contigo, é tão triste pensarmos que isto é considerado normal e fixe e o sonho de qualquer rapariga =(

      Eliminar
  3. apesar de não ter gostado particularmente deste livro a minha opinião não é tão negativa quanto a tua. apesar de não gostar de violência ela não me incomodou mt talvez porque lia e não estava a ver, se fosse um filme ia-me incomodar mais.
    Na minha opinião há algumas coisas que o livro tem e que se não tivesse podia ser melhor. Primeiro as personagens são bastante mal desenvolvidas e construídas. Em segundo lugar o enredo é pouco credível, ok que este é um tipo de livro para fazer sonhar e suspirar :D logo aceitam-se coisas que na vida real não acontecem mas alguma credibilidade é necessária para fazer a história funcionar. Os jogos de Poker do pai e ela jogar sendo tão jovem, até a aposta deles já para não falar do facto dele "dormir" com as raparigas no sofá e não na cama é pouco credível, este último aspecto ainda mais tendo em conta que vivia com outra pessoa. Depois, qd ela começa a sair com o outro rapaz cujo o nome já nem recordo, ela devia ter saído do apartamento. até a desculpa que a leva lá e consequente aposta me parece mt mal elaborado. Claro que há ainda os clichés que são mais do que muitos.
    Eu já li alguns comentários sobre o livro e dizem que a autora, tal como a E.L.James glorifica as relações abusivas e tendo em conta o quanto o Travis parece ser adorado é preocupante, como outros comentadores disseram antes de mim.

    ResponderEliminar
  4. O meu problema nem foi muito esse, foi o excesso dela e o facto de que não houve mais nada durante o livro inteiro.
    Concordo contigo, senão fosse tudo isso, este livro até teria uma história gira e poderia de facto ser melhor. Eu gostava que ela tivesse explorado mais o submundo de Las Vegas em vez de o usar como acessório...
    Mas infelizmente também há muitas opiniões a adorar este livro e ver o Travis ser adorado como um exemplo de namorado a seguir é, de facto, algo muito preocupante =s

    ResponderEliminar
  5. LOL
    Tambem não gostei… lembro-me que nem sequer o cheguei a acabar de ler :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu compreendo-te!! Eu estive quase para o fazer xD

      Eliminar