sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Opinião - Mais Forte que o Desejo

Título Original: Deeper than Desire
Autor: Cheryl Holt
Editora: Quinta Essência
Número de  Páginas: 340


Sinopse
Com a família a atravessar uma grave situação financeira, Olivia Hopkins dispõe-se a conseguir uma proposta de casamento do já maduro conde de Salisbury. Contudo, o plano cai por terra quando ela descobre um livro erótico na biblioteca do conde. O livro incendeia o corpo de Olivia, que não consegue pô-lo de lado, até ser apanhada em flagrante pelo diabolicamente bonito filho do conde, um homem que lhe acelera o coração e lhe preenche o imaginário com pensamentos escaldantes… Phillip Paxton não consegue acreditar na sua boa sorte. O facto de ter apanhado Olivia com aquele livro picante confere-lhe a maravilhosa oportunidade de humilhar o pai que despreza. Servindo-se do livro como isco, Phillip atrai Olivia para uma ligação eletrizante que resulta em ardentes lições de paixão. Phillip não esperava apaixonar-se pela sua encantadora aluna, mas o que começa como um esquema libertino em breve se transforma num romance genuíno e que Phillip protegerá a qualquer custo…


Opinião
  É graduada em música, línguas e educação pela Universidade do Estado de South Dakota e doutorou-se em Direito pela Universidade do Wyoming. Foi professora, cozinheira, empregada de bar, activista política, promotora e juíza de direito administrativo. Ou seja, Cheryl Holt teve uma carreira preenchida e cheia de sucessos, então porquê escrever? Aos 40 anos, advogada de sucesso e mãe, Cheryl quis experimentar escrever policiais mas nenhum dos seus manuscritos vendeu e, em vez desistir, a advogada tentou um género completamente exposto, o romance sensual e, quando deu conta, era a rainha do subgénero que mais vende na ficção feminina.

  Em 1999, Cheryl publicou o seu primeiro livro, The Way of the Heart, e desde aí já publicou mais trinta e três livros, foi nomeada e venceu vários prémios e alguns dos seus livros já foram bestsellers.

  Mais Forte que o Desejo, publicado em 2004, foi traduzido para francês e agora para o português e foi o primeiro livro da autora a tornar-se um bestseller e esteve nomeado para Romance Mais Sensual do ano 2004.

  Um livro com imagens de fantasia…eróticas. Uma família falida que precisa de um bom casamento. Um bastardo que se encanta pela noiva do pai. Estes são os ingredientes do mais recente livro de Cheryl Holt publicado em terras lusas, uma promessa de sensualidade, tentação e emoções proibidas que irá arrebatar a leitora que não dispensa uma boa dose de romantismo com picante. Sendo o primeiro livro que leio da autora, as minhas expectativas não eram muito altas e não esperava de forma alguma ser surpreendida mas, apesar de este ser um livro mediano, com altos e baixos, irei sem dúvida ler outros livros da autora pois a sua escrita elegante e atrevida, os seus vilões sem escrúpulos e a narrativa bem construída e fluída conseguiram aumentar as minhas expectativas em relação aos seus livros. Contudo este livro não é perfeito e ao longo da leitura, apesar de aprazível, parecia sempre faltar algo que não me permitiu gostar tanto como seria possível.

  Primeiro, não sei se é costume nos seus restantes livros, mas neste existem várias histórias para além do romance principal, histórias essas que me agradaram muito, não só pelos temas, como filhos ilegítimos, pedofilia, crianças abandonadas, passados escandalosos ou a necessidade de riqueza ou de um título, como também pela forma como elas encaixam e acabam por fluir naturalmente, envolvendo o leitor em várias tramas interessantes que acabaram por enriquecer a leitura mas que imponham a necessidade de mais desenvolvimento pois o final acabou por ser apressado e deixar muitas pontas soltas e acontecimentos importantes acabaram por ser não acontecer, o que deixou um sabor amargo no fim do livro que poderia ter sido evitado.

  A narrativa é bastante equilibrada em termos de ousadia e romantismo e graças às outras personagens não é demasiado centrada no romance principal mas isso também fez com que a história de Olivia e Philip fosse a menos desenvolvida e coerente, acabando por ter sido a parte menos interessante do livro pois apesar de começar de uma forma bastante aliciante acaba por se desenrolar muito rápido e tornar-se mais melosa e apagada do que seria de esperar. Já a história de Winnie acaba por nos adoçar muito mais e sem dúvida que o requinte de malvadez dos vilões tornaram o enredo mais forte.

  Olivia e Philip acabaram por ser um bom casal mas se Olivia é uma protagonista adequada que por trás da máscara de inocência acaba por ser ousada, já Philip não convenceu. Pela sinopse e pelo início da história parece que ele é um libertino, um mau rapaz e depois ele torna-se apagado, meloso e não era isso que eu estava a espera dele. Já os vilões são bastante fortes, dos melhores que já li neste género. Malvados, requintados e loucos, eles preenchem as páginas e fazem-nos sentir um ódio e raiva tremendos, dificultando até ao fim e recebendo o merecido castigo. 

  Para estreia, Mais Forte que o Desejo não foi o livro perfeito mas vou passar a estar atenta aos livros da autora pois parece-me bastante prometedor o que aqui encontrei. Esperemos que o próximo livro seja melhor.

5*

1 comentário:

  1. eu já li o ligações Proibidas, não me deu vontade de explorar mais, mas gostei dentro do género. O ligações tb tinha mais duas histórias secundárias, uma dos pais do herói e a outra da irmã da protagonista, o foco nestas histórias não era mt grande, as luzes estavam mesmo no casal, mas até eram enredos secundários agradáveis, pessoalmente gostei mais da história dos pais.

    ResponderEliminar