terça-feira, 5 de novembro de 2013

Opinião - O Voo do Corvo

Título Original: Raven Flight (#2 Shadowfell)
Autor: Juliet Marillier
Editora: Planeta Manuscrito
Número de Páginas: 400


Sinopse
Depois de concluir a sua longa e árdua viagem até à base dos Rebeldes em Shadowfell, Neryn tornou-se uma parte vital da rebelião contra o tirânico rei Keldec. Cada passo que dá no sentido de aperfeiçoar os seus dons e afirmar-se como uma Voz poderosa e única na sua geração leva-os mais perto da meta pretendida. Mas, primeiro, Neryn terá de procurar os Guardiães das quatro Vigias para completar o seu treino e o tempo escasseia. Entretanto, Flint, o espião rebelde por quem se apaixonou, foi de novo chamado à corte de Keldec. O laço que os une é tão forte que, mesmo à distância, se procuram em sonhos, partilhando momentos preciosos - ainda que inquietantes - da vida um do outro.

Os Rebeldes vêem com desconfiança este novo amor. Permitir que a emoção se sobreponha à lógica fria do movimento pode pôr tudo em risco. No fim, o amor poderá revelar-se a força motriz da esperança ou a brecha traiçoeira na armadura da rebelião.


Opinião

  Muito já foi dito sobre Juliet Marillier. Ela é a autora mais amada da Fantasia e os seus livros apaixonam todos aqueles que têm a honra, o prazer de os ler. Um séquito imenso de fãs segue-a desde a publicação de A Filha da Floresta, e todos os seus livros, sem excepção, provocam sentimentos nos seus leitores, sejam bons ou maus, mais intensos ou menos. Se as coisas têm andado mais agrestes com a publicação dos últimos três livros de Sevenwaters, a verdade é que uma nova série, uma nova história, tem voltado a agarrar os seus leitores senão da mesma forma, pelo menos de uma forma muito própria, demonstrando o seu mérito, o seu brilho.

  Shadowfell virou a maré e encheu os corações com a sua história de Bem e Mal, de criaturas fantásticas, de heroínas predestinadas, de amores condenados que refulgem contra tudo e todos e, agora, a sua continuação chega para nos continuar a contar a história de uma das protagonistas mais fortes do Mundo Marilliano.
 
  O Voo do Corvo foi publicado no primeiro dia deste ano e já está traduzido para a nossa língua e para holandês.

  Apaixonei-me por Shadowfell logo na primeira página. Fui transportada para dentro da sua história com uma intensidade que só os livros de Marillier conseguem. Senti na pele todas as dores, as alegrias, as dúvidas das suas personagens e, um ano depois, todas estas sensações voltaram a dominar-me enquanto me perdia na leitura de O Voo do Corvo. Voltar a rever este mundo, fez-me apaixonar por ele outra vez, com mais intensidade, com mais dedicação e isso deve-se muito à voz única de Juliet. Já lhe chamei bardo dos tempos antigos em muitas outras opiniões e volto a fazê-lo, porque a sua escrita é mágica, a sua forma de contar uma história única e avassaladora, a sua voz é inigualável. Ler um livro seu é um doce tormento, é perdermo-nos nas palavras e sermos conquistados uma e outra vez com um sorriso nos lábios.

  Como todas as histórias de Juliet, também esta é um eco das histórias de embalar contadas por tempos imemoráveis, destinadas a encantar e a ensinar, cheias de mensagens de coragem e bondade, de verdade e companheirismo, de amor e tormento, histórias que nos fazem sonhar enquanto a dura realidade nos coloca à prova. Ao longo deste livro vamos encontrar tudo isto e muito mais num enredo cheio de lições e obstáculos, perdas e pequenas alegrias, que nos vai agarrar na primeira palavra e deixar-nos a desejar ter o próximo livro já à mão na última. Como qualquer história de assim ser digna de ser chamada, esta tem uma demanda que irá colocar as forças do Bem contra as do Mal brevemente mas, para isso, é preciso aprender, é preciso crescer, é preciso encontrar a força e a coragem que só os heróis têm. Por vezes doce, por vezes cruel, esta é uma história maravilhosa, cheia de criaturas fantásticas, lendas vivas, duras aprendizagens e amores condenados, que se vai desenrolando frente aos nossos olhos de uma forma apaixonante e encantadora onde o mal não pode ser evitado mas torna as convicções ainda mais fortes, mais ardentes, mais desejosas de um final feliz.

  Ao longo dos vários acontecimentos deste livro há duas forças que se degladiam momento a momento, através de actos e palavras. Estes dois sentimentos tão opostos estão presentes ao longo de toda a narrativa e cimentam toda a história. A esperança é uma luz por vezes forte, outras vezes quase apagada, que vive na coragem, na amizade, nas recordações, nos sonhos daqueles que lutam por uma vida melhor. Mas o desespero também está sempre lá, na impotência, na incompreensão, nas perdas por um bem maior. Há um equilíbrio sempre presente, um equilíbrio necessário não só na Natureza como nos actos humanos que tornam esta história tanto senhora de boas memórias como de lágrimas abundantes. Somos atormentados em vários momentos de perda e quase derrota, naquele final inesperado. Atormentados numa miríade de situações que nos colocam o coração na boca mas, também há momentos em que somos adoçados, em que tudo parece melhor nem que seja fugazmente, em que nos sentimos capazes de acreditar em tudo.

  Com laivos de tempos antigos, de tradição e magia, O Voo do Corvo vai buscar os temas habituais de uma história marilliana mas dá-lhe uma alma própria, a alma dos heróis de Shadowfell, um grupo único de personagens pelos quais é impossível não sentirmos um grande carinho. Neryn cresceu neste livro, mais, mostra-se mais sábia, mais adulta, mais forte até, conseguindo cativar-nos, conseguindo mostrar que afinal pudera estar à altura do que se espera dela. Acompanhá-la na sua demanda faz com que apreciemos mais, principalmente quando percebemos que o seu modo desconfiado e fugidio já lá vai. Mas Flint continua a ser a personagem adorada nesta história mesmo que não apareça tanto. De cada vez que ele aparece apenas faz com que o leitor o adore mais e mais. Contudo, a grande surpresa deste livro foi Talli, a preciosa guerreira que se vai mostrando ao longo da história e que nos toca o coração em vários momentos, principalmente quando nos faz lembrar uma das minhas personagens mais queridas de Sevenwaters, Ciarán.

  Depois de uma longa espera, este livro foi muito mais do que me atrevi a esperar, ultrapassando as minhas expectativas, deixando-me desejosa de saber o que se segue. Como sempre, Juliet encanta-nos em mais uma história que deixará os fãs da Fantasia rendidos. O Voo do Corvo é a continuação que Shadowfell merecia e muito mais do se poderia antecipar. Preparem-se pois não sabem o que vos espera. Ou talvez sim, afinal, é mais uma história da Senhora mais amada da Fantasia, a maior contadora de histórias do nosso tempo.

7*

As minhas opiniões da série

6 comentários:

  1. Adorei a tua review e só me fez ficar mais ansiosa pela chegada do meu exemplar do Voo do Corvo (srs da Wook despachem-se :P). A Juliet também é uma das minhas autoras preferidas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh obrigada Patrícia *.* Esses srs. da Wook testam a nossa paciência, eles têm de se mexer para leres isto *.*

      Eliminar
  2. Ai mulher até fiquei com uma lágrima no canto do olho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. =$ Eu estava um bocadinho emocionada a escrever isto... Tinha acabado de o ler nem há uma hora ='(

      Eliminar
  3. Olá,

    Estou a ver que tenho que voltar a ler a escritora, uma das minhas preferidas e é bom ler que voltou ao seu melhor, fico contente.

    E com um titulo destes só posso mesmo ficar curioso, afinal Fiacha é um corvo de Sevenwatewrs :D

    Excelente comentário ;)

    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá.

      Tens!!! E tens!!loool

      Engraçado, é que eu lembrei-me logo de ti quando li o título deste livro! E por acaso também há uma associação gira com corvos neste e... tens de ler para saberes =P

      Obrigada!

      beijinhos

      Eliminar